sábado, 30 de outubro de 2010

Filme "Nenhum a menos" é sobre uma professora substituta

Já vi muitas vezes. Gosto de rever esse filme porque traz uma série de reflexões sobre a Educação.

Trata-se de uma professora substituta de uma escola primária.
Ela é uma adolescente de 13 anos.

A missão dela não é apenas substituir, mas garantir que nenhum aluno abandone a escola. Dai a razão do filme se chamar "Nenhum a menos", ou seja, nenhum aluno a menos na escola.

E se acontecer de um aluno abandonar a escola? Ela deve parar tudo e ir atrás desse aluno? Deve procurá-lo e trazê-lo de volta? São essas questões que o filme apresenta.

O filme tem características de documentário. Mostra o drama da realidade social de uma região da China. São as aldeias carentes de recursos educacionais, longe do progresso e
do desenvolvimento da capital chinesa. Na escola em que a professora leciona há pouco giz. É preciso economizá-los. É preciso também que ela cuide para que
nenhum aluno vá embora.

Um filme emocionante. Com um final que
surpreende e que nos convida a pensar.
Você, certamente não será mais
a mesma pessoa ao
assisti-lo.

Uma obra prima do diretor Zhang Yimou
o mesmo que dirigiu "O caminho para casa".
Você já assistiu? O que achou?
Se não assistiu, assista! Vale a pena!
Nenhum a Menos.
Direção: Zhang Yimou.
China, 1999.

Leia mais:

http://www.asia.cinedie.com/

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Procura-se duas professoras...



... que lecionaram no período de 1980 a 1984, numa escola rural que pertencia a EEPG Benedita Wagner de Campos, localizada na Cerâmica Igaçaba, na divisa entre Salto e Indaiatuba, estado de São Paulo.

Os nomes delas são: Professora Miltes e Professora Rute. Ambas lecionaram para 1ª e 4ª séries. Na minha lembrança de infância são essas informações que tenho da escola. Talvez essas informações sejam insuficientes e não ajude muito a localizá-las, mas quem sabe...

Alguns pontos marcantes que ficou na minha memória era ver a professora descendo do ônibus carregando bastante livros e materiais, era uma euforia, ficávamos tão felizes com a chegada da professora que íamos correndo para a fila sem ninguém mandar, pois não havia inspetores de alunos.

E a professora dava aulas pra três séries diferente numa mesma sala. E tudo corria bem, não havia indisciplina, os alunos esperavam a hora de serem atendidos sem reclamar.

As carteiras eram de madeira e possuíam as laterais toda de ferro com o nome de Brazil com z.

E o recreio era uma festa pois não havia muro na escola.

Gostaria muito de encontrá-las para dizer sobre a importância que elas tiveram na minha vida, para demonstrar minha gratidão e poder dizer muitas coisas sobre aquela época.

Torçam para que eu encontre as duas rosas.

*********************************************************************************

http://www.recantodadeli.com/extras/mini/mini_flor/mini_flor/146.gif
Gif retirado do site

Mini Flor Gifs
http://www.recantodadeli.com/


quinta-feira, 14 de outubro de 2010

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Trabalhando com resíduos

Meus alunos confeccionando um palhaço.
Na foto acima, colando os moldes.

Recortando os moldes, partes do palhaço,
mãos, nariz, chapéu...

O palhaço fica escondido.
É só puxar a vareta e...

...pronto,
surge um simpático palhaço. ************************************************************************

Que graça essa
poltrona feita com caixas de leite.
Trabalho feito por um grupo de estudantes
do curso de Pedagogia.
O tema era Reutilizando embalagens.

sábado, 9 de outubro de 2010

Filme: "O caminho para casa" é sobre um professor

http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTWlIoPYl5hIaQ4je8OLQ9YzgTQa82XM1oeedRT2HQgepzF1zE&t=1&usg=__jzoYUg6PF8Guyx4bVLz4jEw-eKc=

Título original:Wo de fu qin mu qin
Direção: Zhang Yimou
China
Fotografia: Hou Jong
Ano: 2000
Tem nas locadoras
As imagens acima da capa do filme,
foram fotografadas da TV por mim.

Trata-se de uma história de amor sobre um professor que lecionou durante anos numa aldeia. Esse professor está morto e a sua mulher deseja que o cortejo até o enterro seja feito a pé, ou seja, uma longa caminhada. Quem irá nessa caminhada? Os ex alunos? O problema é encontrar e convocar as pessoas que foram seus alunos para essa missão. Parece uma tarefa difícil.

O filme muda o foco apresentando o filho que conta a história de amor entre seu pai e sua mãe num flash back colorido. Isso mesmo, o fash back é colorido e o tempo atual é em preto e branco.


Vale a pena assistir por diversos motivos, primeiro trata-se da valorização do professor, segundo é uma história de amor diferente do que estamos acostumados a ver, terceiro pela fotografia, quarto, é um filme cultural...

Vale a pena pela sensibilidade, criatividade e delicadeza do filme! Mérito do diretor Zhang Yimou.

Um filme simplesmente lindo!


sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Filme: Como estrelas na terra, toda criança é especial

http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTLB9a8abU8VXpO-LmOeXOQNBPiJN0nrv7c-E-KziQGZowUYGk&t=1&h=188&w=198&usg=__qPlDKuOA8yUkXxWvjUm9i-3IfgQ=

Produção e direção: Aamir Khan
India, 2007

Hoje assisti o filme indiano“Taare Zameen Par” durante a reunião pedagógica. No Brasil o filme tem o nome de “Toda Criança é Especial”. Depois de assistir o filme, percebo que não sou mais a mesma, aquele velhos padrões foram derrubados e posso dizer que algo mudou dentro de mim. O filme é uma obra prima, dessas inspiradas para tocar o coração da gente. O diretor acerta em cheio ao abordar as questões da relação escola e do professor com o aluno, da dislexia, da rejeição, do papel da família, do olhar para as habilidades do aluno...


A direção da escola também acertou em cheio ao escolher esse filme para os educadores porque aborda um fator muito importante para a aprendizagem, que é a auto estima do aluno. Sem auto estima perde-se a motivação e o interesse para aprender. Estejamos atentos!


Como foi bom poder assistir “Toda criança é especial” porque me fez questionar e refletir sobre minha postura em sala de aula. Como é o meu jeito de educar? Estou respeitando a individualidade do meu aluno? Estou valorizando o que ele pode dar? Estou massacrando a sua auto estima? Estou cuidando para que ele não adoeça emocionalmente? Estou apontando os seus erros na frente dos outros? E os acertos? Estou mostrando para ele o quanto ele acerta, o quanto ele é bom nisso e naquilo?

Como não se emocionar com um filme que relata a vida de um menino de 8 anos, Ishaan, que é rejeitado pela escola e pressionado pela família para mostrar resultados, é repreendido o tempo todo por não conseguir aprender, por apresentar dificuldade de concentração e se torna triste e sem alegria de viver? O que fazer para melhorar? Matriculá-lo num colégio interno? Aulas particulares? Atenção dobrada da família?


O filme mostra o caminho. Assista e depois venha me contar.

Se você já assistiu? O que foi que achou?